Quinta-Feira, 29 de Junho de 2017 - Seja bem vindo.


Instituição » História
Fonte: a a a

Capítulo 1 - Do final do século XIX em São Paulo
capitulo_1
abertura_cap_01b.jpg

Capítulo 1

DO FINAL DO SÉCULO XIX EM SÃO PAULO

1. INTRODUÇÃO

Em 1890, a cidade de São Paulo possuía 64.934 habitantes, número bastante significativo se comparado aos 23.700 apontados no primeiro senso demográfico, de 1873. Dos tempos da criação da Faculdade de Direito do Largo São Francisco (1828), depois a construção de ferrovias e a chegada dos imigrantes, surgia no final do século XIX a capital dos fazendeiros, centro dinâmico do Estado, já considerado o mais forte do Brasil. Seu crescimento demográfico era excepcional e já contava com cerca de 150.000 habitantes em 1895!

Não há dúvida de que a existência em chão paulista da Faculdade de Direito atraiu muitos estudantes de outras partes do Brasil, cujos alunos, indômitos e ávidos pelo saber, contribuíram muito para o crescimento da vida cultural da época, assim como da imprensa e dos movimentos políticos. Em 1875, nascia o jornal A Província de São Paulo, futuro O Estado de S. Paulo, inteiramente concebido por ex-estudantes de Direito, assumidos propagandistas da campanha pela República. Em 1884/1885, entrava em A Província Júlio Mesquita, redator, um porta-voz dos mais argutos do movimento republicano. Tinham ainda os jornais A Opinião, de Jayme Pinto Serva, Valdomiro Silveira e Ermelindo Leão, O Comércio de São Paulo e Correio Paulistano (1831).

cap01_fig01_A_Provincia_de_Sao_Paulo_fmt

Fachada do jornal A Província de São Paulo

Fonte: Disponível em: <http://www.america.org.br/templates/images/jpg/a_provincia_de_sp.jpg>.Acesso em: 24 de agosto de 2012

Porém, ainda não havia uma agremiação médica, bem como faltava uma escola de Medicina. Salvo os jornais, que eram veículos importantes nos debates médicos em torno dos avanços e das pesquisas (principalmente as epidemias), não havia um locus para se tratar das questões profissionais e científicas. Mesmo assim, a cidade se tornava paulatinamente importante em questões de saúde pública, a ponto de médicos instalados em outros Estados se mudarem para São Paulo.

2. OS MÉDICOS

No início da segunda metade do século XIX, o número de médicos da Província de São Paulo ainda era diminuto, mas a demanda por atendimento aumentava, por causa das zonas inexploradas e dos “terrenos desconhecidos”, habitados por silvícolas.

Era necessário acudir, se não fisicamente, ao menos com ensinamentos práticos, aos fazendeiros, na sua grande maioria plantadores de café.

O Almanach litterario de São Paulo, para o anno 1879, publicado por José Maria Lisboa, Typ. Da Provincia, trazia o Guia medico ou resumo de indicações practicas para servir aos srs. Fazendeiros na falta de profissionaes, de autoria de Luiz Pereira Barreto. Este preconizava o uso de remédios que os moradores de sítio e de fazenda deveriam ter em mão.

cap01_fig02-Almanach_literario.jpg

Página de rosto do Guia Médico do Almanach Litterario, 1878

Fonte: Acervo do autor

Entre as substâncias recomendadas, estavam: alume, calomelanos, cânfora, cloral, centeio espigado, poaia, tártaro emético, sulfato de quinina etc.

Um outro aspecto interessante se deu em relação aos alienados mentais, e o posterior desenvolvimento da psiquiatria na cidade, graças ao impulso de Francisco Franco da Rocha, nascido em Amparo, interior paulista, aos 23 de agosto de 1864.

Formado em 1890, foi nomeado médico do Hospício de Alienados de São Paulo (criado em 1852) e, em 1893, diretor do mesmo estabelecimento, que ficava na Várzea do Carmo, por isso é também conhecido como Hospício da Várzea do Carmo.

cap01_fig03_FrancodaRocha.jpg

Francisco Franco da Rocha

Fonte: Disponível em: <http://www.francodarocha.sp.gov.br/novo/images/historico/drrocha.jpg>. Acesso em: 24 de agosto de 2012

cap01_fig04_Alienado_fmt.jpeg

Hospício da Várzea do Carmo

Fonte: Suplemento Cultural – julho 2011

Franco da Rocha, em 1896, reclamava, por meio de artigos publicados em O Estado de S. Paulo e no Correio Paulistano, a criação de um local apropriado para os doentes mentais. E assim, em 1896, fundou o Hospital do Juqueri, próximo à Estação do Juqueri, à margem do rio de mesmo nome, denominação provinda do tupi (yu-querê-y, “rio de espinho que dorme”).

cap01_fig05_Juqueri_cor.jpg

Complexo Hospitalar do Juqueri, fundado no final do século XIX

Fonte: Disponível em: <http://programaqualivida.blogspot.com.br/2010/01/mudanca-do-juquery.html>. Acesso em: 18 de setembro de 2012

cap01_fig06_Juqueri.jpg

Complexo do Juqueri, em Franco da Rocha, São Paulo, Brasil. Campanário com o relógio circundado pelas palavras Ut cuspis sic vita defluit dum stare videtur – “Esses ponteiros, como a vida, fluem, ainda que pareçam parados”

Foto: André Bispo

O Hospital do Juqueri era modelar nas Américas, o primeiro lugar no qual foi introduzida assistência aos alienados de modo livre, com inspiração no que ocorria em Geel, “Vila dos Loucos”, interessantíssima cidadezinha da Bélgica na qual os doentes mentais viviam no meio e conviviam com a população, como forma de tratamento.

O Hospital do Juqueri continuaria a ser o polo mais desenvolvido da psiquiatria nacional por muitas outras décadas, reunindo a nata da psiquiatria paulista e brasileira, até iniciar a sua vertiginosa decadência, a partir da chegada ao Brasil do movimento antimanicomial, nos anos 1980. (O fim do Juqueri se deu em dezembro de 2005, quando o prédio central, obra arquitetônica de Ramos de Azevedo, inaugurado em 1901, ardeu em chamas, reduzindo a cinzas as escadarias, estilhaçando os vitrais em forma de mandala e queimando o centro de estudos, os prontuários com registros de casos históricos e cerca de vinte mil obras raras, outras raríssimas, que compunham o acervo da biblioteca, em cujas prateleiras, reunidos, estavam os livros da biblioteca pessoal de Francisco Franco da Rocha. Nada sobrou.)

3. OS HOSPITAIS

Quando o Hospital do Juqueri nasceu, à época já existiam vários hospitais gerais e especializados, entre eles a Santa Casa de Misericórdia (inaugurada na Chácara do Arouche, em 1884); o Lazareto da Luz (1802); Hospital dos Variolosos (1880), que se tornou Hospital de Isolamento (em 1932, passou a se chamar Hospital Emílio Ribas); o Hospital Militar da Força Pública de São Paulo (1892); o Instituto Bacteriológico (1873); o Hospital São Joaquim – Beneficência Portuguesa (1876); o Hospital Evangélico de São Paulo (1891), que se tornou Hospital Samaritano (1894); a Maternidade São Paulo (1894); a Santa Casa de Santo Amaro (1895); o Hospital Umberto Primo (aquisição do terreno em 1878 e inauguração somente em 1904); o Hospital Santa Catarina (somente inaugurado em 1906).

cap01_fig07_Chacara_dos_Ingleses_fmt.jpg

Chácara dos Ingleses – antiga Santa Casa de Misericórdia

Fonte: Disponível em: <http://www.arquiamigos.org.br/info/info29/img/estudos04.jpg>. Acesso em: 24 de agosto de 2012

cap01_fig08_Santa_Casa_de_Misericordia_fmt

Entrada principal do Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia, cerca de 1900

Fonte: Disponível em: <http://www.flickr.com/photos/pupo13/4089762048/>.Acesso em: 18 de setembro de 2012

cap01_fig08b_Santa_Casa_de_Misericordia_fmt.jpg

Detalhe do Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia, cerca de 1900

Fonte: Disponível em: <http://www.flickr.com/photos/pupo13/4089762048/>.Foto: Carlos Pupo Acesso em: 18 de setembro de 2012

cap01_fig09_Hospital_Militar_de_Sao_Paulo_fmt.jpg

cap01_fig10_Hospital_Militar_de_Sao_Paulo_fmt.jpg

Hospital Militar de São Paulo, cerca de 1899

Fonte: Disponível em: <http://www.arquiamigos.org.br/info/info29/img/estudos23.jpg>. Acesso em: 24 de agosto de 2012

Fonte: Disponível em: <http://www.arquiamigos.org.br/info/info29/img/estudos24.jpg>. Acesso em: 24 de agosto de 2012

cap01_fig11_Planta_do_Hospital_Militar_fmt.jpg

Planta do Hospital Militar, projeto de Ramos de Azevedo, 1895

Fonte: Disponível em: <http://www.arquiamigos.org.br/info/info29/img/estudos22.jpg>. Acesso em: 28 de agosto de 2012

cap01_fig12_Hospital_Militar_de_Sao_Paulo_fmt.jpg

Aspectos internos do Hospital Militar, projeto de Ramos de Azevedo

Fonte: Disponível em: <http://www.arquiamigos.org.br/info/info29/img/estudos25.jpg>. Acesso em: 28 de agosto de 2012

cap01_fig13_Instituto_Bacteriologico_fmt.jpg

Instituto Bacteriológico, 1896

Fonte: Disponível em: <http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/helmintologia/imagens/Helmin15.jpg>. Acesso em: 24 de agosto de 2012

cap01_fig14_Hospital_Samaritano.jpg

Hospital Samaritano, 1954

Fonte: Disponível em: <http://www.samaritano.org.br/pt-br/sobre-o-hospital/historia/PublishingImages/historia.jpg>. Acesso em: 24 de agosto de 2012

cap01_fig15_Hospital_Santa_Catarina.jpg

Vista aérea da região do Hospital Santa Catarina, 1930

Fonte: Disponível em: <http://i152.photobucket.com/albums/s165/ewaldo_album/HospitalSanta Catarina1930.jpg>. Acesso em: 24 de agosto de 2012

4. OS MEDICAMENTOS

Sobre os medicamentos, data do século XVIII as primeiras boticas paulistas, mas eram as lojas de barbeiro, que existiam em maior quantidade, que faziam o comércio das drogas e dos produtos terapêuticos.

Na segunda metade do século XIX, as boticas começaram a se firmar como casas de manipulação. Nesses estabelecimentos, ao lado dos remédios, eram oferecidos sanguessugas e até frango para o caldo prescrito para as dietas. Porém, em 1885, existiam em São Paulo apenas seis boticas.

A partir do último decênio do século XIX, com a vigorosa imigração italiana, surgiram novos farmacêuticos e as casas de manipulação se multiplicaram, o que forçou o governador a promulgar, em 10 de julho de 1890, um edital que regulamentava a abertura de novos estabelecimentos e disciplinava o funcionamento dos já existentes.

cap01_fig16_cervo_dourado.jpg

Cervo dourado, símbolo da Botica Ao Veado D’Ouro, que a família Schaumann trouxe da Alemanha. Ficava na parte externa do prédio até 1920, quando a farmácia se mudou para o outro lado da rua e a relíquia ganhou lugar de destaque nas dependências internas

Fonte: Acervo do autor

cap01_fig17_botica.jpg

Fachada da Botica Ao Veado D’Ouro, à direita

Fonte: Acervo do autor

cap01_fig18_botica.jpg

Fachada da Botica Ao Veado D’Ouro, em primeiro plano, à esquerda

Fonte: Acervo do autor

cap01_fig20_Medicamentos_cor.jpg

cap01_fig19_Medicamentos_cor.jpg

Medicamentos da época, final do século XIX

À direita. Fonte: Disponível em: <http://revistadehistoria.com.br/uploads/docs/images/images/drogas.jpg>. Acesso em: 28 de agosto de 2012

Abaixo. Fonte: Disponível em: <http://guiadoestudante.abril.com.br/imagem/HISTORIA-104-57-ED1.jpg>. Acesso em: 28 de agosto de 2012

cap01_fig21_Anuncio_Medicamentos_fmt.jpg

Página do jornal Correio Paulistano com anúncios de medicamentos, 1888

Fonte: Disponível em: <http://www.arquivoestado.sp.gov.br/upload/periodicos/jornais/CR18880515.pdf>

cap01_fig21_Anuncio_Medicamentos_fmt.jpg
cap01_fig22_3_colunas_a_Anuncio_Madicos.jpg

Anúncios de médicos

Fonte: Acervo do autor

Algumas fórmulas magistrais de águas usadas no final do século XIX, início do XX:

Formulario Pharmacia,manuscrito de José Luiz Faggiano, circa de 1900

Agua Phagidenica

Calomelanos — 2,0

Opio em pó — 1,0

Agua de cál — 180,0

Agua de Labarraque

Chlorureto de cál secco — 1,0

Carbonato de sodio chrystalizado — 2,0

Agua distilada — 20,0

Dissolva-se o chlorureto de cál na metade da água e no resto o carbonato de sodio, mistura-se as soluções e agita-se. Decanta-se por 24 horas e lava-se o precipitado em 10 partes de água em filtro de papel, mistura-se os dois líquidos e guarda-se em vidro escuro.

Agua gazoza purgativa

Sulfato de magnesia — 25,0

Sulfato de soda — 25,0

Bicarbonato de potássio — 1,0

Chloruro de sodio — 2,0

Agua saturada ao gaz carbonico — 700,0

Tome de meio a um copo.

Agua para cabellos

Tintura de jaborandy — 300,0

Sublimado corrosivo — 5 centigramas

Agua de louro serejo

Agua destilada — 1000,00

Alcool a 40ª — 1000,00

Essencia de amendoas amargas — 4,0

5. O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

À medida que se aproximava o início do século XX, São Paulo, paulatinamente, diversificava a sua infraestrutura, dando margem a uma era profícua em mudanças. Surgiam novas práticas capitalistas e, com elas, o desenvolvimento. Em meados do século XIX, as primeiras vias férreas se tornaram empreendimentos economicamente viáveis. A rápida expansão das plantações de café para o interior (oeste paulista) trouxe o lucro e permitiu a criação da primeira estrada de ferro paulista, a São Paulo Railway, inaugurada em 16 de fevereiro de 1867, unindo o interior do Estado ao porto de Santos, a qual foi, em 1890, modernizada e duplicada no trecho da Serra do Mar.

cap01_fig24_Sao_Paulo_Railway_Company_(sem_o_texto)_fmt.jpg

Logotipo da São Paulo Railway, extraído do anúncio do superintendente William Speers, em 1882

Fonte: Disponível em: <http://blogs.estadao.com.br/reclames-do-estadao/files/2010/07/1882.3.10-trem-ferrovia-santos-sp.jpg>. Acesso em: 24 de agosto de 2012

Na capital, em 1895, iniciou-se a construção de uma importante estação brasileira, a Estação da Luz, somente inaugurada em 1º de março de 1901 e que se tornaria um marco referencial da cidade.

Entre 1867 e 1880, várias cooperativas de estrada de ferro são formadas: Cooperativa Paulista de Estrada de Ferro, Estrada de Ferro Ituana, Estrada de Ferro Sorocabana, Estrada de Ferro São Paulo-Rio, Estrada de Ferro São Paulo-Minas. O Estado, rico, possuía trespassada rede de trilhos de aço, cortado de fora a fora por marias-fumaça, a puxar muitos vagões de carga repletos de café.

cap01_fig25_Estacao_da_Luz.jpg

Estação da Luz, na época de sua abertura e em 1900

Fonte: Disponível em: <http://historiadesaopaulo.files.wordpress.com/2010/12/slide015.jpg>. Acesso em: 24 de agosto de 2012

cap01_fig26_Estacao_da_Luz_fmt.jpg

Fonte: Foto de Guilherme Gaensly. Disponível em: <http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/sao-paulo/imagens/estacao-da-luz-1900a.jpg>. Acesso em: 24 de agosto de 2012

A cidade, de provinciana e colonial, quase do dia para a noite, transformou-se grandemente, alterando a própria infraestrutura. As antigas chácaras que circundavam o centro são loteadas, dando lugar a bairros residenciais: Santa Ifigênia (1876); Higienópolis e Avenida Paulista (entre 1890-1895); Campos Elíseos (1879), proveniente da divisão da chácara Nothman. Para alcançar este último, era preciso atravessar o Viaduto do Chá, construído em 1892, por Jules Martin, sobre a chácara da Baronesa de Itapetininga, erigido com 500 toneladas de ferro.

cap01_fig27_Bairro_de_Santa_Ifigenia_fmt.jpg

Bairro Santa Ifigênia, final do século XIX

Fonte: Disponível em: <http://www.comprasnasantaifigenia.com.br/imagens/santaifigenia1.jpg>. Acesso em: 24 de agosto de 2012

cap01_fig28_Bairro_Higienopolis_fmt.jpg

Casa de D. Veridiana da Silva Prado, cerca de 1884

Fonte: Disponível em: <http://www.arquiamigos.org.br/info/info16/img/estudos52.jpg>. Acesso em: 27 de agosto de 2012

cap01_fig29_Rua_D_Veridiana_fmt.jpg

Rua D. Veridiana, na última década do século XIX

Fonte: Acervo do autor

cap01_fig30_Rua_Itambe_fmt.jpg

Rua Itambé, por volta de 1894

Fonte: Acervo do autor

cap01_fig32_Higienopolis_fmt.jpg

Avenida Higienópolis recém-aberta

Fonte: Acervo do autor

cap01_fig31_Sta_Cecilia_fmt.jpg

Vista do distrito de Santa Cecília, Vila Buarque, final do século XIX

Fonte: Acervo do autor

cap01_fig33_Avenida_Itatiaia_fmt.jpg

Abertura da Rua Itatiaia (atual Avenida Angélica), 1898

Fonte: Acervo do autor

cap01_fig34_Convite_Viaduto_do_Cha_fmt.psd

cap01_fig35_Convite_Viaduto_do_Cha_fmt.psd

Convite da inauguração do Viaduto do Chá, 1892

Fonte: Acervo do autor

6. Artesãos e artistas

No final do século XIX, o lucro obtido com os negócios gerados pela atividade cafeeira fez com que muitos cafeicultores diversificassem as atividades. O programa de imigração, subvencionado, supria a necessidade de mão de obra em substituição aos escravos. Com a riqueza promovida pelo café, as atividades comerciais, o lazer, a necessidade de novas habitações, a vinda de artesãos e mestres de obras, engenheiros e arquitetos europeus e a facilidade de importação de materiais edificaram, em larga escala, residências e casarões, com telhas francesas, mármores, madeiras e elementos decorativos de ferro fundido, que deram a São Paulo toda a face de sua incipiente grandiosidade.

cap01_fig36_Casarao_na_Av_Paulista_(Casa_das_Rosas)_fmt.jpg

Casarão da Av. Paulista, 1935, onde hoje funciona a Casa das Rosas

Fonte: Disponível em: <http://imgms.viajeaqui.abril.com.br/7/foto-galeria-materia-620-5x.jpeg>. Acesso em: 27 de agosto de 2012

Em 1873, foi criado o Liceu de Artes e Ofícios por um grupo de aristocratas pertencentes à elite cafeeira nacional. Não se pretendia, no início, promover a educação cultural, mas, sete anos depois, transformou-se em uma efetiva escola de arte, na qual se ensinava o trabalho com o gesso, a marcenaria, o desenho, entre outros. (Em 1890, assumiu a sua presidência o grande arquiteto Francisco Paula Ramos de Azevedo.)

cap01_fig38_Centro_Cultural_de_Liceu_de_Artes_e_Oficios_fmt.jpg

Centro Cultural do Liceu de Artes e Ofícios

Fonte: Acervo do autor

cap01_fig37_Liceu_de_Artes_e_Oficios_fmt.jpg

Liceu de Artes e Ofícios

Fonte: Disponível em: <http://novosite.liceuescola.com.br/sites/default/files/arquivos/imagens/fotos_imagens/017.jpg>. Acesso em: 27 de agosto de 2012

O ensino artístico também era promovido nos próprios ateliês dos pintores, que tinham vários discípulos e aprendizes, aos quais ensinavam a técnica da imprimadura da tela, o uso das cores, o desenho e a confecção de tintas.

cap01_fig39_Almeida_fmt.jpeg cap01_fig40_Pedro_Alexandrino_fmt.jpg

Almeida Júnior

Fonte: Disponível em: <http://1.bp.blogspot.com/-xtTJ0Z8MRT8/TxdpXUwyiII/AAAAAAAABm8/rlTdk0MCVgM/s1600/3223029619_6fc18cd29d_z.jpg>. Acesso em: 27 de agosto de 2012

Pedro Alexandrino

Fonte: Disponível em: <http://www.pinturasemtela.com.br/wp-content/uploads/2011/07/pedro-alexandrino-borges-pintor-e-desenhista-brasileiro.jpg>. Acesso em: 27 de agosto de 2012

Organizavam-se mostras e exposições. Entre os nomes importantes da época, estão Almeida Júnior (1850-1889), Pedro Alexandrino (1856-1942), Oscar Pereira da Silva (1867-1939), Benedito Calixto (1853-1927) e Castagneto (1851-1900), que, em 1895, expôs no Banco União de São Paulo. Nas obras desses artistas, predominam as paisagens e as naturezas mortas, pois esses temas acabaram se firmando como gênero no decorrer do século XIX, enquanto as cenas das batalhas decaíam no gosto do público. São, na maioria, pinturas en plein air, imagens tão fidedignas quanto possível.

cap01_fig42_Benedito_Calixto_fmt.jpg

Benedito Calixto

Fonte: Acervo do autor

cap01_fig41_Oscar_Pereira_da_Silva_fmt.jpg

cap01_fig43_Castagneto_fmt.jpg

Oscar Pereira da Silva

Fonte: Disponível em: <http://bolsadearte.com/artistas/perfil/id/105/>. Acesso em: 21 de setembro de 2012

Castagneto

Fonte: Disponível em: <http://bolsadearte.com/artistas/perfil/id/35/>. Acesso em: 21 de setembro de 2012

Interessante notar que os artistas plásticos do final do século XIX pintaram quadros que são verdadeiros documentos iconográficos da cidade, muitas vezes a chamar a atenção para os graves problemas urbanos, como a tela de Benedito Calixto, Inundação da Várzea do Carmo, de 1892, com detalhes e pormenores do problema crônico do transbordamento do rio Tietê, que até hoje assola a antes cidade em desenvolvimento e agora megalópole, São Paulo.

vazea_do_carmo_efeito.jpg

Tela de Benedito Calixto – Inundação da Várzea do Carmo

Fonte: Disponível em: <http://www.novomilenio.inf.br/santos/calixt28.htm>. Acesso em: 27 de agosto de 2012

O movimento modernista ainda não existia, mas os seus próceres já tinham nascido: Tarsila do Amaral, 1886, Anita Malfatti, 1889, Victor Brecheret, 1894, os quais iniciariam, com outros artistas, como músicos e escritores, verdadeira revolução nas artes brasileiras, a culminar com a importante Semana de Arte Moderna, em 1922.

cap01_fig45_Tarsila_fmt.jpg

Tarsila do Amaral (à dir. na foto), cerca de 1900

Fonte: Disponível em: <http://vmulher5.vila.to/interacao/original/30/os-romances-de-tarsila-do-amaral-2-30-410.jpg>. Acesso em: 27 de agosto de 2012

7. A primeira entidade médica paulista

O certo é que no final do século XIX, São Paulo não era mais uma cidade tímida e acanhada, mas uma próspera capital em franco e rápido desenvolvimento.

Nesse clima ascendente, em 7 de março de 1895, nasceu a primeira entidade médica paulista*, a Sociedade de Medicina e Cirurgia de São Paulo, que se tornaria Academia de Medicina de São Paulo, em 1954, ano do quarto centenário da cidade.

Sua criação está intimamente relacionada ao virtuosismo de seu criador, o grande vate da Medicina de então, Luiz Pereira Barreto, de vida laboriosa e fecunda, um positivista de grandeza.

61384.png

cap01_fig46_a_Planta_Sao_Paulo_fmt.jpg

Planta do centro de São Paulo (1881)

Fonte: Disponível em: http://www.arquiamigos.org.br/info/info20/img/1881-download.jpg. Acesso em: 5 de setembro de 2012

* É preciso registrar que em 7 de setembro de 1888 foi criada a Sociedade Médico-Cirúrgica de São Paulo, presidida por Antonio Pinheiro de Ulhôa Cintra, o Barão de Jaraguá. Instalada no edifício da Faculdade de Direito, praticamente não teve vida ativa, sendo oficialmente dissolvida antes de completar três anos, em 1891.






Relacionadas
05/11/13 - Capítulo 1 - Do final do século XIX em São Paulo
05/11/13 - Capítulo 2 - Luiz Pereira Barreto, o criador
05/11/13 - Capítulo 3 - Do nascimento da Sociedade de Medicina e Cirurgia de São Paulo
05/11/13 - Capítulo 4 - Dos primeiros 50 anos
05/11/13 - Capítulo 5 - Da passagem de Sociedade para Academia
05/11/13 - Capítulo 6 - Das sedes
05/11/13 - Capítulo 7 - Dos livros de ata
05/11/13 - Capítulo 8 - Do início ao término de um período decadente
05/11/13 - Capítulo 9 - Do cisma
05/11/13 - Capítulo 10 - Do soerguimento da Academia de Medicina de São Paulo


Academia de Medicina de São Paulo
http://www.academiamedicinasaopaulo.org.br/
contato@academiamedicinasaopaulo.org.br

Academia de Medicina de São Paulo
Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 278 - 6º andar/ Sala 3
Tel.: (11) 3105-4402 - Fax: (11) 3106-5220
São Paulo - CEP: 01318-901

By RMAHOST.com